terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Grilhões desfeitos...

Irriquieto, meu pensamento foge, travesso, porta afora
Não tolera o lento passar da hora e voa pelo vento...
Ignora a chave, que tranca o corpo e o limita a uma sala
Pois minh'alma é infinita e não cala, para ela não há trave.

O horizonte surge à frente, banhado em cores e matizes
Esqueço os dissabores e, com olhos felizes, ergo a fronte!
Um suspiro escapa do meu peito, há pouco restrito e encarcerado
Agora, liberado das amarras, corta o espaço e dança, num giro tão bonito...

É tanta luz que cega!  É tanta liberdade que inebria!
Minha ousadia, embriagada, expõe desejos, mostra meus sonhos quase nus...
Fisicamente, inda me encontro aprisionada num torpor que imobiliza
Mas minha mente, esta desliza a céu aberto, linda e apaixonada!

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Não há pressa...

Não há pressa, temos a vida - quase - inteira...
Não à pressa, sim à nossa hora, a verdadeira
Não, a pressa estraga a brincadeira...
Não apressa o tempo quem já sabe o que virá, e de que maneira...